Televisa & Você: Entrevista com Angelique Boyer

templates grátis

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

...

BLOG TELEVISA & VOCE

BLOG TELEVISA & VOCE

Pesquisar no blog

Carregando...

SOBRE...

POSTAGENS

...

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Entrevista com Angelique Boyer

Angelique Boyer







Angelique Boyer assume um desafio estelar, tornando-se a protagonista da telenovela Teresa, produzida por José Alberto “El Güero” Castro. A jovem atriz, de 22 anos, aceitou emocionada o papel que, em seu momento, impulsionou a carreira de Salma Hayek.

Deixando para trás seu cabelo louro, a franco-mexicana tornou-se uma morenaça espetacular dando vida à Teresa, uma mulher ambiciosa, disposta a tudo usando-se de sua beleza para poder sair da pobreza. Trata-se de uma mulher bonita, inteligente e obstinada, porém muito vaidosa, ambiciosa e calculista. Sabe que é muito atraente e usa isso a seu favor. Sabe manipular a todos menos a sua mãe e Mariano (Aarón Díaz), que não perdem a esperança de que reconsidere seus atos. Teresa ama Mariano, mas sua ambição é maior que seu amor.

Boyer, nascida em Jura, França, enfrenta seu primeiro protagônico, após sua aparição na telenovela de Salvador Mejía, Corazón salvaje. A oportunidade chegou após estar há vários anos na Televisa, onde apareceu primeiramente em Rebelde. Após, apareceram personagens secundários em projetos como Muchachitas como tú e Alma de hierro; no entanto, pensava que lhe faltavam muitos anos mais para ser a protagonista de alguma telenovela.

Após dar vida à vidente Jimena, no melodrama Corazón salvaje, Angelique viajou para a França com sua família para relaxar em Paris e fazer um itinerário por seus históricos vinhedos. Tinha a intenção de permanecer lá por dois meses, mas aos 22 dias a chamaram do escritório do produtor Alberto Castro para voltar ao México e se apresentar aos castings de Teresa, e ela não titubeou nem um segundo.

Angelique não escondeu sua emoção e explicou: “Trabalho para fazer uma grande equipe, para que seja um projeto de qualidade com esta personagem que é pouco comum. Foi nesta telenovela que Salma foi descoberta e hoje representa o México pelo mundo afora, uma mulher realizada. Então, é agradabilíssimo ter isso em minhas mãos. Trabalhamos muito duro para não falharmos com as expectativas e fazer um excelente trabalho, como o de Salma”. Cabe recordar que a jovem começou sua carreira no mundo da música, ao participar, durante a década dos anos 90, no grupo juvenil pop Rabanitos Verdes.


Angelique, como você definira sua personagem em Teresa?

Teresa é o exemplo de uma mulher atual, uma personagem de muitas mudanças; por exemplo, vemos que a garota é inteligente, é bolsista em sua escola e é escolhida por um grande professor para fazer carreira em uma boa universidade, porém, pouco a pouco, lhe acontecem situações humilhantes que a tornam uma mulher muito dura e ambiciosa pelo dinheiro, sem se importar como consegui-lo. É uma garota que começa a se formar no ensino médio e que, após as transições de aproximadamente oito anos ao longo da telenovela, torna-se muito madura, muito inteligente e trata de seguir em frente, como toda a juventude que hoje em dia trata de fazê-lo, mas existem diversas maneiras de fazer as coisas e creio que essa é a mensagem mais interessante que existe em Teresa, ou seja, que não se precisa correr, deve-se aprender a caminhar porque assim as coisas tendem a durar mais.


Você sente medo ao fazer essa personagem que é diferente das típicas protagonistas de telenovelas?

O que me preocupa é que nas ruas dizem coisas feias, mas, bom, eu não sou assim e tenho essa tranquilidade. Me divirto muito enquanto gravo as cenas porque faço coisas que na vida real jamais faria.


Como você se sente com esta mudança no visual?

Gosto muito de mudar. Acredito que isso me dá oportunidade como atriz para interpretar mais coisas, para brincar mais, para que o público também se divirta mais me vendo em diferentes facetas.


Esta personagem é um grande desafio em sua carreira…

Imagine, estou assustada com tudo o que está acontecendo, começando por esta magnífica apresentação fora da empresa, todo o apoio que nos oferecem e o fato de Pedro Torres ter se unido a este projeto e de ter primeiros atores como Juan Carlos Colombo, a senhora Mariscal, Cinthya Klitbo, que é uma atriz a quem sempre admirei desde os cinco anos e que toda minha vida quis ser como ela, assim, tê-la a meu lado é uma das coisas que não poderia ter sido melhor. Sempre pedi a Deus que fosse no momento preciso, pessoal, profissional e sobretudo com a personagem mais indicada, e assim aconteceu.


Como você se lembra do dia em que te avisaram que seria a protagonista desta grande produção?

Para mim foi um grande dia. Quando me deram a notícia foi como sentir gastrite. Foi um  encontro de sentimentos quando o produtor José Alberto Castro me comunicou. Estava emocionada, mas também esperançosa por poder cumprir com as expectativas que depositaram em mim. Me lembro que no dia 15 de junho iniciamos as gravações para estreá-la em agosto.


É complicado encarnar uma mulher má?

Não tem sido difícil graças a equipe de produção que tem sido muito paciente comigo. Com Aarón estamos fazendo uma história de amor; me divirto muitíssimo com meus companheiros. Sinto que não errei na decisão que tomei. Para mim, Teresa não é uma mulher má. A vejo como uma mulher atual que está brigando por seu lugar, tratando de sobressair nesta sociedade que continua sendo muito complexa.


Como você construiu a personagem?

Devorei toda a informação possível, trabalhei muito a imagem, depois me sentei com os diretores.


Há 20 anos Teresa mudava a vida de Salma Hayek. Você acredita que a sua também tem mudado?

Acredito que sim. Teresa é um projeto que causa muitas coisas, espero e peço a Deus e aos meus anjos que o público se apaixone e deixe sua marca na história da televisão.


Você se sente preparada neste momento de sua carreira para afrontar este desafio?

São trinta cenas ao dia em estúdio, locações, entrevistas e tudo mais. Definitivamente deve-se estar psicologicamente preparada para tudo isto. Agradeço a família que tenho, porque é o que me dá o equilíbrio para seguir todos os dias com o melhor dos ânimos. Acredite: acordo e digo: “Que horas são? 6 da manhã?” melhor continuar dormindo, mas, ao mesmo tempo: “Não, levante-se”. Mas estou muito motivada e muito feliz. Agora devo seguir com esta energia que é o que estou recebendo por parte de toda minha produção, e trabalhar duro, me comprometendo com o estão me oferecendo.


Como tem sido o trabalho com seus três galãs na telenovela?

Muito bem. São garotos muito talentosos, muito respeitosos, que também estão se divertindo e apaixonados por este projeto. É muito prazeroso estar todos em um set e compartilhar esta boa vibração que emana não somente de mim, nem somente dos galãs, mas sim de todos meus companheiros. Ver Cinthya Klitbo com esse sorriso, Luis Fernando Peña, Jessica Segura, é incrível, estou muito bem abrigada. Então, tenho que trabalhar para motivá-los e para que vejam que sua protagonista tem a melhor das atitudes.


Fazendo um balanço, como você se sente nesse projeto?

Me sinto em um sonho e comprometida. Estou muito ansiosa por ver que o público se apaixona e apoia este grande projeto que está sendo feito com tanta qualidade, desde as entradas por Pedro Torres, que é um ícone em nosso país. Me trouxe muita sorte o fato de José Alberto ter confiado em mim para realizar esta personagem que todo o mundo quer ver e que causa tanta expectativa.


Você chegou a ver as versões anteriores de Teresa?

Vi o filme com Maricruz Olivier, que é a história original de Teresa. Obviamente a adaptação de Salma com um final diferente e com outra visão de Teresa, juntamente com o filme que dura uma hora e meia é o que vamos contar nos mais de 260 capítulos. É uma história que vai se passando em etapas de seis a sete anos, onde realmente haverá muitas transições para enfrentar como evolução.


Alguma vez você teve a intenção de deixar a atuação quando não encontrava o reconhecimento que tem agora?

Claro que houve momentos de desesperação, mas sempre pensei que algum dia triunfaria. Se me perguntasse como me senti, responderia que fui paciente e tudo chegou no momento preciso, porque, na verdade, ninguém me deu nada. Na verdade, estou tão contente porque minha família sempre me apoiou, além do que fazem com tenha meus pés muito bem firmes sobre o chão.


O que você quer fazer após este grande projeto?

Agora, depois disso, quero muitas coisas, para mim, não existe topo, há muitos desafios e metas a serem cumpridas.


Créditos:
Tirada também do blog:
http://telenoveleiros.blogspot.com/2010/11/entrevista-com-angelique-boyer.html

Para ir à página principal:

Para ir à página principal:
Acesse as postagens do dia!